Crônicas Fotográficas Urbanas: Bairro Bixiga (2017)

Exposição Fotográfica..jpg

Nesta primeira edição do projeto e oficina de Crônicas Fotográficas Urbanas, trabalhamos com os participantes da terceira idade e de outras faixas etárias que somaram a esta instigante jornada, as possibilidades narrativas que a fotografia de rua pudesse contar das localidades visitadas. A proposta inicial foi a de visitar o Centro Velho (Praça da Sé, Viaduto do Chá, Rua Direita) e bairros como a Luz, o Brás e a Vila Madalena, e daí retratar sua urbanidade considerando suas histórias que pudéssemos “re-descobrir”.

 

Logo, foi decidido com a anuência dos alunos que o primeiro local para iniciar esta narrativa urbana, seria escrito imageticamente no bairro da Bela Vista, Bixiga. Consideramos que o Bixiga ou Bela Vista foi uma feliz escolha, pois ele é um dos bairros onde é possível encontrarmos concentrada toda a riqueza de tradições culturais que São Paulo traz desde sua formação e consolidação como grande metrópole cosmopolita.

 

Quando andamos por suas ruas, visitamos e conversamos com sua gente, inevitavelmente lembramos de nós mesmos. E assim, foi inevitável também trazer para a exposição, textos, poesias e músicas que foram saltando escritos à fora, dada a inspiradora boemia que o Bixiga traz para seus visitantes.

 

Aqui temos apenas uma “pequena mostra” desta incursão fotográfica de produção compartilhada com os participantes desta oficina. Esperamos trazer à memória alguns cantos desta cidade que estiveram esquecidos ou perdidos; da lembrança de suas casas, ruas e esquinas desta grande metrópole que foi agigantando-se e pulverizando seus costumes e identidades território afora.

 

No projeto Uma Câmera, Um Sorriso a abordagem pedagógica considera para a busca da imagem fotográfica o aguçar da percepção para a realidade, tendo como essência integrar ao conhecimento teórico e prático do manuseio de uma câmera e ao tratamento estético da imagem à possibilidade de transformação do olhar dos alunos, para isto a abordagem estética considera a sensibilização artística deste olhar e o direcionamento a uma vivência que remetem a uma prática de resgate da memória e dos afetos que cada um traz e reflete na produção das imagens captadas.

 

Participantes da Oficina: Aparecida Giacomazzi, Ciro Giacomazzi, Claudia Oliveira, Flaviana Pereira da Rocha, Filomena Sales, Iolanda Pereira Shiaku, Janaína Rodrigues, Julia Morita, Jussara Capellozza Fonseca, Kauã Cabral, Lucinda Bastos, Marcos Lemos, Milton Toshio Uenaka, Mine Fusako, Paulo de Tarso Araújo, Pedro Uema e Vita Mizael Dias.

 

Orientadores: Julio Maya e Katia Ale Maya